Fonte: Jornal Testemunho de Fé No 461 - edição semanal  No 309  - De 10 a 16 de Dezembro de 2006
Autor: Dom Edson de Castro Homem

 

Os símbolos falam. Por isso, deixemos que os símbolos natalinos nos comuniquem o significado do Natal que celebraremos. Saibamos usá-los para o anúncio da fé.

O presépio é o mais completo símbolo de Natal. Ele representa as cenas  do nascimento de Jesus. Segundo as narrativas de Lucas e Mateus. Possui um valor pedagógico para os pais que o montam em casa com seus filhos, explicando o significado de cada objeto. Serve de lugar de oração, especialmente, para a Novena do Natal em família. Pode ser um presépio resumido, aquele que só contem a Sagrada Família: Jesus, Maria e José. Em alguns lares, somente a imagem do Menino Jesus é exposta. A simbologia indica a centralidade do Mistério: o nascimento do Salvador, feito homem.

O pinheiro é a árvore que nunca morre, pois permanece verde mesmo durante o inverno. A árvore de Natal tem origem no pinheiro, que servia de único enfeite possível nos rigores do inverno europeu. Ao ser estilizada com tantos enfeites, sofisticou-se. No entanto, há toda uma simbologia bíblica da árvore, do Paraíso à Cruz, intimamente ligada a Cristo, que bem pode ser restaurada e relembrada.

A estrela aponta para o Messias, descendente do rei Davi. Evoca o astro luminoso que conduziu os Magos até Jesus, Luz do mundo. Representa a chegada dos povos, mediante a luz da fé, a indicar a salvação universal. Lembra o título dado a Jesus, no Livro do Apocalipse: Ele é a Estrela da Manhã. Entende-se  por que o astro é posto em cima do presépio ou da árvore. Algumas famílias preferem pô-lo na porta da casa a sugerir que, em seu lar, se encontra o Senhor.

A ceia em família, precedida de um momento de oração ou de um cântico natalino, nos recorda o motivo da festa: Jesus que nos une como irmãos e membros da mesma família humana. Seu Reino coincide com o tempo de fartura de bens espirituais em que todos, especialmente os pobres, são saciados. Seu nascimento é portanto, motivo de grande alegria para os que necessitam de salvação, conforme o anúncio e cântico dos anjos.

A troca de presentes realça a gratuidade do dom de si que purifica o amor fraterno. Dar ou receber um presente é reportar-se ao próprio Jesus enquanto dom do Pai. Maria no-lo oferece também como fruto do seu sim e do seu ventre. Nós o apresentamos ao mundo com nossas palavras e atitudes: com  o dom de nós mesmos!

O cartão atualiza, com a mensagem de vida e de paz, o sentido da comuninicação natalina: o diálogo entre Deus e os homens;o diálogo diálogo dos cristãos entre si e com o mundo. Por isso, deveria ser bem escolhido, seja na estampa, seja nos dizeres. Nada mais incoveniente e contraditório do que enviar ou receber um cartão de Natal cuja mensagem não veinculasse votos de amor e de paz, conforme o ensinamento do Mestre.

Enfim, há outros símbolos sinalizadores do sentido da festa: o encontro do divino no humano, que acontece no gesto de caridade, na atitude de solidariedade, na iniciativa de reconciliação. Jesus no outro é o sinal sensível do divino encontro.