Fonte: Jornal Extra - 10 de junho de 2007
Autores: Dom Fernando Figueiredo, bispo de Santo Amaro, e padre Marcelo Rossi

 
 

 

No dia de Corpus Christi, comemoramos a instituição da Eucaristia realizada por Jesus na quinta-feira santa, durante a última ceia. Para que você possa meditar e alimentar sua vida espiritual, transcrevemos aqui algumas passagens do Evangelho que nos narram o testamento Eucarístico de Jesus.


“Discutiam entre si os judeus, dizendo: “Como nos pode dar de comer sua carne?” Jesus lhes disse: “Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem nem beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come minha carne e bebe meu sangue, tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia. Minha carne é verdadeiramente comida e meu sangue é verdadeiramente bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue, permanece em mim e eu nele. Assim como vive o Pai, que me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim também quem comer de minha carne viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Não é como o pão que vossos pais comeram e ainda assim morreram. Quem come deste pão, viverá eternamente” (Jo 6, 52-58).


Na fé compreendemos a Eucaristia, assim como reconhecemos o mistério da Encarnação, em que o Filho de Deus, por obra do Espírito Santo, se encarnou no seio puríssimo da Virgem Maria. Também a Eucaristia é obra do Espírito Santo. No momento da consagração, o sacerdote, que age na pessoa de Jesus, invoca o Espírito Santo e é graças a Ele que se realiza o milagre da transubstanciação, o pão e o vinho se transformam no Corpo e Sangue do Senhor. É o próprio Jesus, em seu Corpo, Sangue e divindade, que continua presente no meio de nós através da Eucaristia.


Por ela queremos nos identificar cada vez mais a Cristo, concretizando o que exclama s. Agostinho: “Tornamo-nos o que recebemos!” Que nossa vida e ações testemunhem, sejam um sinal vivo de seus ensinamentos, no cumprimento da vontade do Pai e na total oferta a Ele de nós mesmos.