Viemos adorá-lo" (Mt 2,2) : este foi o significativo tema escolhido para a  XX Jornada Mundial da Juventude que se realizou em Colônia ( Alemanha), de 16 a 21 de agosto de 2005. Segundo o evangelho, três reis magos sairam do Oriente para visitar o filho de Deus. Seguiram a Estrela guia até Belém, aonde chegaram, de acordo com a tradição no dia 6 de Janeiro. Por isso nesta data, é comemorado em todo mundo o dia de reis. Liturgicamente a referida data é chamada Epifania, palavra de origem grega que significa manifestação. No caso da Epifania do Senhor, manifestação do Messias também aos povos pagãos, isto é, para além das fronteiras judaicas.

 A Solenidade da Epifania do Senhor, que tinha começado em Alexandria, difundiu-se cada vez mais na liturgia de toda Igreja. Já a partir do século IV, passou a ser celebrada no dia 06 de Janeiro. Somente na liturgia romana, sob o pontificado do Papa São Leão Magno ( 440 - 461), chegou a tornar-se uma festividade singular, ou seja, a Adoração dos Magos. "No Brasil por determinação da CNBB, está solenidade é celebrada no domingo entre 2 e 8 de Janeiro, depois da Festa da Sagrada Família"( Missal Romano, p.157, ed. 2a)

 A breve exposição evangélica de Mateus (Mt 2,1-12) segunda a qual os Sábios do Oriente, guiados por uma estrela, chegaram a Belém para adorar o Menino recém-nascido, era bem conhecida já nos alvores da Igreja. Em conformidade com Mateus, chegaram ao presépio de Jesus três Sábios, pessoas de alta categoria, vindos do Oriente, de longe, seguindo uma estrela. MAGÓI: este era o nome grego daqueles que ele chamou  astrólogos. Em italiano, eles denominam-se como Reis Magos e em alemão são popularmente conhecidos como os Três Reis. Lembrando que "MAGO" na língua  persa significa poderoso.

 A sua proviniência do Oriente fez pensar na Pérsia, onde os sacerdotes persas de Zoroastro promoviam a interpretação e a edificação das estrelas. Sem dúvida, eles eram astrólogos, dado que se puseram a seguir uma estrela específica. É nos escritos da Patrística que podemos encontrar mais informações destes misteriosos visitantes, cuja a tradição, datada do século VIII, identificou como Melchior, Baltazar e Gaspar. Melchior, em hebreu quer dizer rei da luz; Baltazar em aramaico, pode ser traduzido por judeus e Gaspar era um rei persa, vencedor de tudo. Segundo os exegetas, os três reis simbolizam as três raças descritas na Bíblia: os semitas, os jafetitas e os camitas. Os Magos presentearam Jesus com oferendas carregadas de significados. O Ouro é símbolo da realeza. O Insenso representa a divindade e a Mirra que era usada nos sepultamentos, representa imortalidade.

 Espiritualmente a Solenidade da Epifania representa a universalidade da Salvação que recebemos de Jesus que se revela fora de seu povo. Nele e com Ele a Igreja supera os limites de uma nação e assume todos os povos da terra. No entanto, sabemos que ainda precisamos superar muitas barreiras pessoais e comunitarias neste sentido, devidos aos nossos pontos de vistas e atitudes. Neste aspecto é fundamental a disposição de cada um de colocar-se a caminho como os Reis Magos, pois é com nossas pernas que podemos encontrar o Senhor no rosto peculiar de cada um. " Não se puseram a caminho porque viram a estrela, mas viram a estrela porque se puseram a caminho" ( São João Crisóstomo, século V).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- Testemunho de Fé de 31/12/2006 a 6/01/2007, p.8

- L´osservatore Romano de 20/08/2005 p.8

- Missal Romano, Ed. 2a, vozes, 1007