2.  A estrutura e os elementos

     Na Missa ou Ceia do Senhor, o povo de Deus é convocado e reunido, sob a presidência do Sacerdote que representa a pessoa de Cristo, para celebrar a memória do Senhor ou sacrifício eucarístico. Por isso, a esta reunião local da santa Igreja aplica-se, de modo eminente, a promessa de Cristo: "Onde dois ou três estão reunidos no meu nome, eu estou no meio deles (Mt. 18,10). Pois na celebração da Missa, em que se perpetua o sacrifício da cruz, Cristo está realmente presente tanto na assembléia reunida em seu nome, como na pessoa do ministro, na sua palavra, e também, de modo substancial e permanente, sob as espécies eucarísticas.

     A Missa consta, por assim dizer, de duas partes, a saber, a liturgia da Palavra e a liturgia eucarística, tão intimamente unidas entre si, que constituem um só ato de culto. De fato, na Missa se prepara tanto a mesa da Palavra de Deus como a do Corpo de Cristo, para ensinar e alimentar os fiéis. Há também alguns ritos que abrem e encerram a celebração.

     A Assembléia Cristã se reúne para a celebração da Santa Missa. Ela se difere de qualquer outra assembléia. É hierárquica, e é assim estruturada para a celebração do Santo Sacrificio:

     O Celebrante: A presidência da celebração eucarística compete ao bispo ou ao presbítero, seu delegado. Ele representa o própio Cristo. Por isso tem direitos e honras especiais: usa vestes que o distinguem, ocupa o primeiro lugar no altar e à sua entrada e saída todos se pôem de pé em sinal de respeito. O Celebrante é o intermediário entre Deus e o povo; fala aos fiéis em nome de Deus e se dirige a Deus em nome dos fiéis, e coloca toda a Assembléia em sintonia com o mistério celebrado. Sem presidente não há assembléia.

     Nas Celebrações há vários mistérios que se manifestam exteriormente pela diversidade das vestes litúrgicas, que por isso devem ser um sinal de função de cada ministro. Eis algumas vestes usadas durante a celebração da Missa:

      •  A Alva : É uma veste comum aos ministros de qualquer grau. É uma túnica geralmente de linho branco que recobre todo o corpo até os pés. Ela é cingida à cintura pelo cíngulo, um cordão branco, ou da cor dos paramentos. A alva foi substituida pela Túnica que atualmente é usada em todas as funções litúrgicas. A Túnica deve ter uma cor neutra ( Branca, Bege ou Cinza).

      •  A Estola : É um paramento litúgico em forma de tira comprida. É colocada no ombro esquerdo e a tiracolo, pelo diácono, pendente dos ombros pelo prebítero e bispo. De acordo com as cores litúrgicas, terá a mesma cor da festa que se celebra no dia. É distinto do minístro ordenado

      •  A Casula:  Vestimenta sacerdotal que se põe sobre a túnica e a estola. Combina com  a estola, e terá a cor da festa que se celebra no dia. Seu uso é facultativo.

     No uso das vestes, usam-se as cores que server para uma maior vivência, através do sentido da visão, da celebração que estamos realizando. Eis aqui o significado de cada cor:

      •  O Branco: É a cor pascal: indica ressurreição, pureza, alegria. É usado na Páscoa, no Natal, nas solenidades de Nosso Senhor, nas de Nossa Senhora.

      •  O Vermelho: Lembra o fogo do Espírito Santo, o sangue. É usado nas solenidades de Pentecostes, Domingo de Ramos, Sexta feira da Paixão do Senhor, e nas solenidades e destas dos Apóstolos e Mártires.

      •  O Verde : É a cor da esperança. Usada nos domingos do chamado Tempo Comum durante o ano.

      •  O Roxo: Simboliza a penitência e a mortificação. É usado durante o Tempo de Advento, preparação para o Natal e  na Quaresma que é a preparação para a Páscoa.

      A equipe de Celebração : Existe a necessidade de se compor uma Equipe de celebração, onde cada um exerça uma função dentro da celebração da Missa. Tal equipe será composta dos seguintes elementos, além do Presidente:

      •  O Diácono: Em virtude da sagrada ordenação recebida, ocupa o primeiro lugar entre aqueles que servem na celebração eucarística. Tem partes própias no anúncio do Evangelho e, por vezes, na pregação da Palavra de Deus. Serve o sacerdote na preparação do altar, na celebração do sacrifício e na distribuição da Eucaristia.

      •  O Acólito: É instituido para o serviço do altar, para auxiliar o sacerdote e o diácono. Compete-lhe principalmente preparar o altar e os vasos sagrados, e, se necessário, distribuir is fíeis a Eucaristia, da qual é ministro extraordinário.

      •  O leitor: É instituido para proferir as leituras da Sagrada Escritura, exceto o Evangelho. Na falta do Ledor instituido, é delegado a outro leigo esta função de alta dignidade. É de suma importância que o ledor saiba ler corretamente e com desembaraço, e transmita aquilo que sente como testemunho.

      •  O Comentarista: É a função que o leigo deve estar bem preparado para orientar os movimentos e as orações dos fíeis. dialoga com a Assembléia, fazendo breves comentários introdutórios às leituras.

      •  Os coroinhas e as coroinhas: Os coroinhas são aqueles que servem de acólito  no altar, e conforme as disposições emanadas pelo Bispo, poderão ser meninos e meninas, rapazes e moças, homens e mulheres.

      •  Os cantores: Os cantores devem ser colocados de tal forma que se manifeste claramente sua natureza, isto é, que fazem parte da assembléia dos fiéis, onde desempenham papel particular. São os intermediários entre os ministros e o povo. Devem levar a Assembléia a "rezar duas vezes" com entusiasmo. Importante é a Assembléia cantar a Missa. Deve-se evitar que os instrumentos tocados durante os cantos sobreponham aos cantores.

      •  O Povo: Não é uma massa de espectadores mudos e distraídos ou um conjunto de pessoas piedosamentes empenhadas em rezar cada um por sua conta segundo sua devoção individual. O povo deve formar um só corpo, seja ouvindo a Palavra de Deus, seja tomando parte das orações e no canto, ou sobre tudo na oblação comum do sacrifício e na comum participação da mesa do Senhor. O Povo é participante e não assistente.

 

      Alguns objetos litúrgicos são usados pelo Presidente da Assembléia, durante a celebração. Eis alguns deles:

      •  O Cálice: É o vaso em que o sacerdote consagra o santíssimo Sangue de Cristo na Missa. Pelo seu uso, o cálice deve ser consagrado.

      •  A Âmbula: É o vaso sagrado, também chamado de cibório ou píxide, onde se guardam as hóstias consagradas.

      •  O Corporal: É um pano quadrado de linho branco, com uma cruz no centro para ser colocado no altar e sobre ele o corpo do Senhor.

      •  O Manustérgio: É uma pequena toalha com a qual o sacerdote enxuga a mão, depois de lavá-las, durante a missa.

      •  A Pala: É um pequeno cartão quadrado, guarnecido de pano branco ou pequena toalha, quadrada ou redonda, de linho branco e engomada, usada pelo sacerdote, durante a Santa Missa, para cobrir o cálice.

      •  A Patena: É um pratinho ou disco de metal, na qual o sacerdote na Missa coloca a hóstia consagrada. Serve também para cobrir o cálice com o vinho e para recolher partículas de hóstias consagradas durante a Comunhão dos fiéis.

      •  O Sanguíneo: É também chamado de purificatório, É um paninho de linho branco, para o celebrante enxugar a boca e o interior do cálice.

      •  A Teca: É o vaso sagrado com que se leva a sagrada comunhão aos doentes.

      •  O Turíbulo: É um vaso de metal, usado para as incensações litúrgicas

      •  A Naveta: É um pequeno vaso de metal em forma de naviozinho, para nele colocar o incenso e se servir por meio de uma colherinha.

      •  O Incenso: Pode ser usado facultativamente em qualquer forma de Missa. Representa o sacríficio de louvor aceito por Deus, simboliza a oração. Na Missa são incensados os elementos que simbolizam a presença de Cristo: o altar,  o livro dos evangelhos, o presidente, a assembléia, as oferendas eo próprio Cristo presente sob as espécies de pão e vinho.

       Outros objetos litúrgicos são utilizados em momentos diversos ou até mesmo em Missas de cunho festivo. São esses:

      •  A Custódia: Chamada também de ostensório é um objeto cultural para exposição solene do Santíssimo Sacramento.

      •  O Pállo: É uma armação ornamental, portátil com varas e franjas, que serve para cobrir o ministro religioso que, nas procissões, leva a custódia ou ostensório com o Santíssimo Sacramento.

      •  A Umbela:  É uma esécie de pálio redondo, semelhante a um grande guarda chuva, de cor dourada e com franjas, que um ministro leva aberto, recobrindo o sacerdote que transporta o Santíssimo Sacramento dentro de Igrejas, Capelas e de outros recintos

      •  O Véu Umeral: É um manto retangular e comprido, de cor branca. Que os ministros ordenados põem sobre os ombros , para segurar a custódia ou a âmbula com o Santíssimo Sacramento, seja para transportá-lo numa procissão, seja para dar bênção eucarística aos fiéis. Na Missa do Santo Cristo, na manhã de Quinta-feira Santa, os diáconos revestem-se de três tipos de Véu Umeral, para transportar até o altar os três óleos: O Véu Umeral, de cor brancaO Véu umeral de cor roxa, para levar o óleo dos enfermos e o Véu Umeral de cor verde, para levar o óleo dos catecúmenos.

        para levar o óleo do santo crisma;